ISSN 2675-4843

Apresentação

corpo explícito© é uma publicação bimestral idealizada e criada pelo artista visual Bruno NovadvorskiEsta é uma publicação de arte contemporânea e fotografia que contém cenas de nudez, sexo explícito e genitais. Consulte com cuidado caso sinta-se ofendido.

corpo explícito© is a bimonthly publication designed and created by visual artist Bruno Novadvorski. This is a contemporary art publication and photography containing scenes of nudity, sex explicit and genitals. Consult carefully if feel offended.

Direitos e Comprometimento:
As imagens constantes na corpo explícito© são de autoria do seu criador, Bruno Novadvorski, e por outros artistas que, gentilmente, as cederam para serem publicadas com as devidas permissões de direitos autorais.

A corpo explícito© está comprometida com artistas e todos os direitos autorais estão reservados. Nenhuma parte desta revista pode ser reproduzida de forma mecânica ou digital sem autorização prévia por escrito do editor-chefe da corpo explícito ou do artista.

Outras imagens – que possam ser utilizadas – são livres de direitos autorais. No entanto, se houver uso injusto e/ou direitos autorais violados, entre em contato.

Rights and Commitment:
The images contained in corpo explícito© are authored by their creator, Bruno Novadvorski, and by other artists who kindly gave them up to be published with the appropriate copyright permissions.

corpo explícito© is committed to artists and all copyrights are reserved. No part of this magazine may be reproduced mechanically or digitally without prior written permission from the editor-in-chief of corpo explícito© or the artist.

Other images - that can be used - are free of copyright. However, if there is unfair use and / or copyright infringement, please contact us.

Edição Atual

Volume 01, Nº 04, Julho/2020
(ISSN 2675-4843)

Conto Quarentena

Conto contrassexual fotográfico. Imaginação e prazer.

Após passar pela marca de 90 dias em quarentena, com saídas noturnas para ir ao mercado ao menos uma vez por semana, a imaginação é ferramenta para não surtar com todos os contextos que a pandemia tomou no Brasil. Somada à sexualidade, explora-se outras possibilidades e assim apresento o ensaio/conto Conto Quarentena. Uma breve narrativa que faço através do uso do meu corpo em estado de prazer. Convido meu marido – Chris, The Red – para me fotografar.

Edições Anteriores

Volume 01, Nº 03, Maio/2020
(ISSN 2675-4843)

“nude” amo enviar e receber, pois o corpo é lindo, não?!
Quem nunca recebeu a mensagem “me envia uma nude?”, ou até mesmo, já fez essa solicitação para aquela pessoa que de alguma maneira nos provoca?! E na sequência, recebeu - ou enviou - pelo menos três ou quatros fotos mostrando alguma parte do corpo, desde o pau, cu e buceta, até mamilos, lábios, pés... Enfim, a questão é que com o avanço das novas tecnologias e da telefonia móvel - os famosos smartphones - a possibilidade de troca de informação aumentou expressivamente e, claro, as trocas de imagens sexuais.


Volume 01, Nº 02, Março/2020
(ISSN 2675-4843)

Três ensaios. Momentos diferentes, ambientes diferentes. Observar o que acontece na sacada do apartamento onde morei no centro de Porto Alegre, sempre foi algo que fiz com muito gosto. Toda vez que estive ali, sempre observei a vida que também acontecia lá embaixo em suas diferentes situações e contextos, por exemplo, da sacada do 72 (número do apartamento), se tem a oportunidade de ver praticamente todos os meios de transportes, pois pessoas transitavam a pé, de bicicleta, moto, carro, ônibus, trem, barco, lancha, navio, avião... este fato sempre me fascinou! Sempre pensei nas histórias que poderiam estar acontecendo e que estavam sendo vividas. Nesses momentos na sacada, sempre que possível, fiquei peladão, sentindo os raios de sol ou as gotas da chuva.


Volume 01, Nº 01, Janeiro/2020
(ISSN 2675-4843)

Dentro do meu apartamento sou tão corpo de tão explícito que sou! Não sei exatamente quando isso começou, essa minha relação com a imagem, talvez na década terminal do século XX e começo do século XXI, época em que de longe acompanhava as revistas “expostas” de maneira escondida no alto das prateleiras das bancas de revistas. meus olhos se enchiam de algo que não entendia muito bem, o peito queimava como se estivesse na fogueira, estava num estado de pensamento pecaminoso..